sábado, 7 de janeiro de 2012

Ela é tão inexplicável!

— Eu queria dizer que... sempre te achei tão linda e diferente... tão...
— O quê?
— ... é difícil explicar... Quando te vejo o céu se torna mais azul, e os raios de sol brilham com mais vida...
— Odeio calor, me deixa fedida.
— ... além de sua singularidade, você é tão original...
— Gosto de tirar fotos no espelho, e com aquela pose apoiando as mãos nos joelhos.
— ... tão meiga e carinhosa...
— Ontem mordi uma criança.
— ... e apesar da imensa delicadeza, não lhe falta maturidade...
— Foi meu priminho, ele roubou minha batata.
— ... além de ser muito inteligente e culta, sempre lendo algo...
— Meu livro favorito é Crepúsculo.
— ... e tem um incrível senso de realidade das coisas, diria até um pessimismo análogo ao de Schopenhauer...
— Chope? Sempre tomo com minhas amigas, geralmente sou a primeira a ficar bêbada.
— ... e ao prestar atenção em alguma coisa, você permanece com aquele belíssimo olhar sereno e profundo, reflexiva...
— Tenho déficit de inteligência, sou meio retardada.
— ... sem falar na sua voz doce, tão harmoniosa quanto o canto das sereias...
— Eu cantava muito quando pequena, até meu pai dizer pra eu parar um pouco com aquilo porque não levava jeito e assustava as crianças.
— Hein? Seu pai deve ser surdo!
— E você deve ser cego!
— Assim você me mata...

2 comentários:

  1. Achei um pouco confuso, mas cômico :D Tem bem o seu jeito de escrever!

    ResponderExcluir
  2. Hahaha. Belle, Maurilio, belle! Humor sutil e ácido, como nasceu pra ser.

    ResponderExcluir